Educando com carinho e amor

Educando com Amor e Ensinando com carinho!

A contribuição da fantasia na formação da personalidade infantil.
















 
 
 
 
 
Nesta seção faremos algumas considerações a respeito da importância da fantasia. De acordo com Corso (2006), ela se caracteriza por ser um mecanismo criado pelo homem para superar as dificuldades da vida. Através da Literatura Infantil, a fantasia influencia o imaginário da criança e mantém uma certa cumplicidade em relação às “viagens” do mundo imaginário.
Todorov (apud Corso, 2006), ao estudar o gênero do fantástico, situa-o entre o maravilhoso e o estranho. É próprio do maravilhoso, tal como definido por Todorov, ser um tipo de escrita na qual o elemento do sobrenatural aparece de forma natural, ou seja, segundo Todorov (apud Corso, 2006, p.40), “por mais malucos e oníricos que sejam os acontecimentos, não haverá estranhamento, pois está tácito de que estamos em outro registro, que tudo é totalmente fictício, que não se explica de nenhuma maneira”. Ainda segundo o referido autor, o fantástico se instaura quando há uma indecisão acerca da natureza de um acontecimento.

Para que o fantástico se sustente, portanto, é preciso que haja hesitação do leitor. (“Será que isso é verdade?/ É possível?”). Se decidirmos que se trata de um acontecimento sobrenatural, regido por leis estranhas às do mundo que conhecemos, então entramos no âmbito do maravilhoso. Se, ao contrário, conseguirmos dar uma explicação possível no mundo real, o acontecimento passa ao campo do simplesmente estranho. Além disso, para Todorov, o leitor deve ler o texto de uma determinada maneira, que não pode ser nem alegórica, nem poética. Ao fazer a diferenciação entre a tríade fantástico, estranho e maravilhoso na literatura, o conceito de Todorov sobre o fantástico foi e ainda é fortemente criticado, na medida em que se percebe que as fronteiras que separam os três gêneros são muito tênues, e o fantástico pode mesmo ser considerado um “gênero sempre evanescente”, ou seja, que desaparece, é fugaz e efêmero.

Algumas histórias tratam de temas que fazem parte da tradição de muitos povos e apresentam soluções para problemas universais, pois funcionam como válvula de escape e permitem que a criança vivencie seus problemas psicológicos de modo simbólico, saindo mais feliz dessa experiência. A obra de Bettelheim (2001) foi “a pedra fundamental” da produção psicanalítica sobre os Contos de Fadas, ensinando-nos os mecanismos de sua eficácia na vida das crianças – eficácia observada a partir do diálogo da criança com aquelas histórias que lhe agradam. De acordo com Corso (2006), retomando aspecto já destacado por Betttelheim, essas histórias oferecem soluções para possíveis conflitos e transmitem a mensagem de que a luta contra as dificuldades e os medos é inevitável, mas a vitória é possível.
Segundo Bettelheim (2001), os Contos de Fadas abordam – tendo como base o elemento fantástico - problemas interiores dos seres humanos e apresentam soluções válidas para qualquer sociedade, contribuindo para formar a personalidade e atuando significativamente no desenvolvimento emocional infantil. A criança aumenta seu repertório de conhecimentos sobre o mundo e transfere para os personagens seus principais dramas.

Para Corso (2006), o simbólico apresentado nas histórias infantis possui importância fundamental, pois expressa anseios humanos tais como: encontro e desencontro, angústia, medo, tristeza, alegria, amor e dor. O sentido da vida começa a ser traçado quando ainda a única linguagem entendida pela criança, é a do afeto. Deste modo, crianças sensibilizadas desde cedo para o universo da linguagem e para a utilização da capacidade simbólica tornam-se pessoas com um sentido de vida verdadeiro, capazes de lançar para o mundo um olhar de doação, generosidade e transformação.

Através dos Contos de Fadas, a criança vê representados no texto, simbolicamente, conflitos que enfrenta no dia a dia e encontra soluções para eles, pois as histórias em geral trazem um final feliz. Uma vez que os Contos de Fadas e as histórias infantis apresentam tamanha importância, cabe aqui sublinhar a relevância do papel exercido pela Escola e pelos professores – assim como pelos pais e por outros adultos que convivem com a criança – ao contar histórias. Fortuna (2005, p.2) aponta que é fundamental:

conversar sobre o que as crianças estão pensando a respeito do conteúdo das histórias, seu tema, a época e as condições em que a trama se passou. Mas, cuidado: não cabe ao adulto 'moralizar' as histórias, com frases do tipo "viu o que acontece quando não se obedece à mamãe?" O importante é que as hipóteses da criança possam ser externadas através da elaboração secundária, e que o adulto possa acolher o conteúdo de seu universo psíquico, em lugar de tentar dirigi-lo. Isto implica, da parte do adulto, muita generosidade, altivez e capacidade de brincar com a criança...
 
Texto retirado do artigo de Leila Bergmann


Fonte: http://joaopharaoh.blogspot.com/2011/05/contribuicao-da-fantasia-na-formacao-da.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário